Instalar App SBOC


  • Toque em
  • Selecione Instalar aplicativo ou Adicionar a lista de início

Últimas Noticias

Com participação da SBOC, Audiência Pública na Câmara dos Deputados discute a situação do câncer colorretal no Brasil

Com participação da SBOC, Audiência Pública na Câmara dos Deputados discute a situação do câncer colorretal no Brasil

Diretor da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Dr. Alexandre Jácome representou a entidade em audiência pública da Câmara dos Deputados, realizada nessa terça-feira, 9 de julho, sobre o panorama e as medidas para prevenção e controle do câncer colorretal no Brasil. Dr. Jácome começou apresentando a epidemiologia da doença no país. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), são esperados 45.630 casos novos destes tumores anualmente. Eles só são menos frequentes na população brasileira do que os cânceres de próstata e de mama. “No Brasil, os tumores colorretais são mais incidentes no Sul e no Sudeste. Portanto, assim como mundialmente, há uma relação entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e esse tipo de câncer”, comentou o oncologista clínico, que também é membro do Comitê de Tumores Gastrointestinais Baixo da SBOC. Isso porque em localidades de IDH elevado as populações costumam ter idade média maior. “A probabilidade de alguém com mais de 75 anos desenvolver câncer colorretal é três a quatro vezes maior do que a de alguém com 55 anos ou menos, por mais saudável que seja”, detalhou Dr. Jácome. Outros fatores de risco para estes tumores, também relacionados a questões ambientais, são o consumo excessivo de produtos de origem animal (principalmente carnes vermelhas e processadas), o uso de tabaco e de álcool, o sedentarismo e o sobrepeso ou obesidade. Como medidas preventivas, Dr. Jácome recomenda manter uma alimentação saudável, uma rotina de atividades físicas regulares, controle do peso corporal, evitar o álcool e o tabaco e seguir métodos de rastreamento dos tumores, como exames de colonoscopia e de sangue oculto nas fezes. “Quanto maior a adesão aos métodos de rastreamento, mais precoces serão os diagnósticos e menor será a mortalidade pela doença. Lembrando que o melhor método de rastreamento é aquele que é realizado pelo paciente”, concluiu o especialista. Também participaram do debate: a oncologista clínica do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo e coordenadora do Comitê de Tumores Gastrointestinais Alto da SBOC, Dra. Maria Ignez Braghiroli; Dr. José Barreto Carvalheira, coordenador da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer e membro SBOC; Renata dos Santos, representante do Inca; Helena Esteves, gerente de Advocacy do Instituto Oncoguia; Dr. Hélio Moreira Junior, presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia; e a Dra. Suyanne Camille Caldeira Monteiro, assessora técnica do Ministério da Saúde.

Ver mais...
BJO reúne residentes e jovens especialistas no seu Programa de Escrita Científica

BJO reúne residentes e jovens especialistas no seu Programa de Escrita Científica

Durante seis semanas, entre março e maio, jovens médicos se reuniram com especialistas para discutir, refletir e aprender mais sobre a organização de dados e a produção de artigos acadêmicos. Assim foi a primeira edição do Programa de Escrita Científica da Brazilian Journal of Oncology (BJO), que organizou a iniciativa com o objetivo de incentivar a escrita científica no Brasil. Ao todo, foram selecionados treze candidatos matriculados em programas de residência médica de oncologia clínica, oncologia pediátrica, cirurgia oncológica e radioterapia, ou que concluíram esses programas a partir de 2021, com idade inferior a 40 anos. Destes, cinco tiveram o acompanhamento de um tutor, enquanto os demais participaram como ouvintes, conforme os critérios definidos em edital. Ao todo, foram cinco encontros on-line e um presencial, em São Paulo (SP), na sede da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC). Nas reuniões, os participantes aprenderam sobre organização de dados de pesquisas, estruturação de artigos, uso de tabelas, gráficos, palavras-chave e escolha de títulos. Os encontros foram coordenados pelo oncologista clínico e editor-chefe da BJO, Dr. Auro del Giglio. “O programa foi importante para aprimorar a produção científica de residentes e jovens especialistas, aperfeiçoando habilidades de escrita, estimulando a contribuição com a literatura médica e preparando-os para os desafios da pesquisa e da publicação científica”, comentou.  Uma das participantes, a oncologista clínica porto-alegrense Dra. Letícia de Jesus Rossato, afirma que o Programa foi uma grande oportunidade no desenvolvimento de habilidades na escrita científica. “Tive o privilégio de estar sob a mentoria de um expoente da oncologia clínica e estou muito grata por poder contribuir com a construção do conhecimento científico no nosso país.” Segundo a cirurgiã oncológica paulistana Dra. Rebeca Hara Nahime, os encontros tiveram discussões de alto nível. “Gostaria de parabenizar a todos pelo Programa. Foram semanas muito enriquecedoras de troca de conhecimento. Pudemos aprender com especialistas as nuances da produção de um artigo desde a base”, comentou. “O conteúdo foi bem distribuído e os médicos que ministraram as aulas se mostraram sempre dispostos a ajudar, sanar dúvidas e contribuir para o nosso aprendizado. Além disso, a tutoria oferecida permitiu discussões mais aprofundadas e específicas no meu artigo científico, de modo que pude organizar e estruturar melhor os dados, enriquecendo meu projeto”, afirmou a Dra. Giovanna Vieira Giannecchini, oncologista clínica do Rio de Janeiro (RJ). A BJO é um periódico científico sobre oncologia e áreas correlatas, publicado em conjunto pela SBOC e as Sociedades Brasileiras de Cirurgia Oncológica (SBCO), de Radioterapia (SBRT) e de Oncologia Pediátrica (SOBOPE). 

Ver mais...
Dr. José Barreto Carvalheira é o novo coordenador da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer

Dr. José Barreto Carvalheira é o novo coordenador da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer

Nesta quarta-feira, 26 de junho, foi publicada no Diário Oficial da União a nomeação do Dr. José Barreto Campello Carvalheira como coordenador-geral da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer, iniciativa da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde. O novo responsável pela Política é Professor Titular de oncologia clínica do Departamento de Anestesiologia, Oncologia e Radiologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Na mesma entidade, fez residência e doutorado em clínica médica. Foi, ainda, professor visitante da Universidade da Califórnia, em São Francisco (EUA). Além da atuação acadêmica, Dr. Carvalheira é curador da Fundação Oncocentro de São Paulo e representante do Comitê de Referência em Oncologia do Estado de São Paulo. É associado à Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) desde 2019 e possui o Título de Especialista em Oncologia Clínica, emitido em conjunto pela entidade e a Associação Médica Brasileira. "Parabenizamos a escolha do Ministério da Saúde e desejamos uma excelente gestão ao Dr. José Barreto Carvalheira, renomado médico com amplo conhecimento sobre a oncologia e o sistema de saúde. A SBOC, enquanto representante dos oncologistas clínicos brasileiros, fica à disposição para auxiliá-lo na regulamentação e na aplicação da Política Nacional do Câncer no país”, afirma a presidente da Sociedade, Dra. Anelisa Coutinho. A Política entrou em vigor no último 18 de junho, quando completaram 180 dias da sanção presidencial da Lei 14.758/2023, que instituiu também o Programa Nacional de Navegação da Pessoa com Diagnóstico de Câncer. Do surgimento da legislação, nos debates da comissão dedicada ao câncer na Câmara, até a sua aprovação, a SBOC esteve presente nas discussões. A legislação aguarda, agora, regulamentação para operacionalizar os seus objetivos. Entre os quais estão: diminuir a incidência de neoplasias no país; contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes; reduzir a mortalidade; e assegurar acesso ao cuidado integral.

Ver mais...

Parceiros